Taxa Selic caiu para 5,5% ao ano: e agora, como investir?

By 19 de setembro de 2019 Investimento, Outros

O Copom (Comitê de Política Monetária) reduziu ontem, 18/09, a taxa Selic em 0,50 ponto percentual, dando prosseguimento ao afrouxamento monetário retomado na última reunião em julho. A queda de 6% para 5,5% ao ano está em linha com a previsão do mercado, com base na precificação nos juros DI. É a menor taxa básica de juros da história recente.

Queda da Selic favorece investimento na Bolsa

A redução da taxa Selic para 5.50% ao ano vai encolher ainda mais o ganho da maioria das aplicações de renda fixa e reforçar a atratividade da Bolsa de Valores para os investimentos.

Especialistas afirmam que o caminho para o pequeno investidor é diversificar as aplicações, com a compra direta de ações na Bolsa ou por meio de fundos de ações e multimercados. Quem tem perfil mais conservador e não está disposto a correr os riscos do mercado de renda variável deve dar preferência aos títulos de renda fixa prefixados ou corrigidos pela inflação para compensar a tendência de novas quedas dos juros no futuro.

Fundos Multimercados

Além do fundo de ações, há também os fundos multimercados, que podem investir em vários produtos ao mesmo tempo –inclusive ações– e mudar as aplicações de acordo com o cenário econômico, com o objetivo de buscar maiores ganhos para o investidor.

Aplicações Isentas de Impostos

Indo para outro caminho fora da Bolsa, uma aposta dos especialistas é para o cenário de juros baixos são os produtos que têm rendimentos isentos de Imposto de Renda (IR), como os fundos imobiliários e os fundos de debêntures (títulos emitidos por empresas) de infraestrutura.

Para os mais conservadores

O investidor conservador, mais avesso ao risco do mercado de ações, ainda pode encontrar oportunidades na renda fixa, em títulos públicos prefixados (Tesouro prefixado) ou indexados à inflação (Tesouro IPCA, antiga NTN-B).

Pós-fixados servem como reservas de emergência

Apesar de a Selic baixa afetar o rendimento dos investimentos pós-fixados, como o Tesouro Selic e os fundos DI, essas aplicações continuam desempenhando um papel importante dentro da carteira de investimentos.O investidor deve guardar nesses produtos os recursos para gastos inesperados, a chamada reserva de emergência. Em geral, esses investimentos oferecem liquidez diária, ou seja, o dinheiro pode ser sacado a qualquer momento.

Fonte: Uol, Br Investing, Comitê de Política Monetária